Artista|soteropolitano

0
771

Foto:

Artista soteropolitano

Indicado ao prêmio Brazilian International Press Awards na categoria artes visuais, Ronald Lago finca pé na cidade de São Paulo.

Arquiteto de formação e paraquedista nas horas vagas, o artista plástico Ronald Lago não é do tipo que faz jus à expressão “caiu de paraquedas”, que sugere uma queda por acaso. Baiano de nascimento, Ronald sempre teve na comunicação visual seu foco de expressão. Trabalhou na arquitetura, na publicidade, fez gravura e achou o ponto da descida: pintar quadros. “São painéis sem molduras, procuro usar um tom pastel, mais e dou contraste bem forte no preto”. Nas telas: natureza, bichos e sinais de críticas às coisas da vida moderna. Como no quadro “Facebook”, em que um pescador aparece atento ao celular. “Faço uma crítica a essa doideira da internet, que rouba seu tempo e ninguém percebe”. Mas foi por meio dessa mídia que o artista estreitou laço Fernanda Macuco, sua esposa. “Ela era comissária e eu precisava de equipamentos de paraquedas. Um amigo meu nos apresentou e nos comunicávamos pelo Face”. Em alguns trabalhos de Ronald, duas bolas verdes achamam a atenção: são os olhos da Fernanda.

A primeira exposição de Ronald foi num evento no MAM da Bahia. Depois, em férias com a esposa em Miami, conheceu uma marchand que se interessou pelo seu trabalho. Era junho e, mal chegado ao Brasil, recebeu um telefonema: “Eu teria de organizar uma exposição para outubro”, conta. A exposição In Your Eyes, com 23 quadros, foi realizada na Costantini Art and Jewelry Design, em Miami. Daí foi indicado, na categoria artes visuais, ao prêmio Brazilian International Press Awards – concedido a personalidades ou entidades que divulgam trabalhos brasileiros, em diversas áreas, no exterior.Seu trabalho “A Zebra” levou o segundo lugar no site Hall Brasil, especializado em obras brasileiras. Outros trabalhos podem ser vistos na Galeria Banco de Arte, de Nagib André. Ronald está trabalhando em um projeto para a Galeria 48. Ele foi um dos selecionados para intervir nas lixeiras da rua Oscar Freire, no quarteirão onde a galeria está localizada e que terá a internet como alvo, mais uma vez.

Ronald, soteropolitano, e Fernanda, curitibana, moram na Pompeia. O ateliê do artista fica em cima do restaurante Jardim Secreto, que a esposa abriu após abandonar a carreira de comissária. O local oferece música ao vivo, de quinta a sábado. O cardápio foi a própria Fernanda quem fez e a comida é ela quem faz. Mas os detalhes são assuntos para outra matéria. (SV)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA