Promovendo a inclusão

0
1175

Há apenas três meses em Perdizes, a Associação Nosso Sonho foi criada com a missão de incentivar e propiciar às pessoas com deficiência cerebral uma vida com mais qualidade. Por acreditar que essas pessoas tão especiais vieram mostrar um mundo melhor, movido pela tolerância e pelo amor, a Associação também tem como missão levar esse conceito à população.
A paralisia cerebral (PC) é uma deficiência motora, de vários graus, que raramente acomete a cognição. “As crianças e os jovens com paralisia cerebral são inteligentes, por isso é preciso deixar claro que o conceito de deficiência é diferente de eficiência. Dizemos que o PC tem uma alma aprisionada por um corpo que não corresponde e a comunicação alternativa é uma opção para a libertação dessa alma”, explica Suely Katz, gerente geral da Nosso Sonho.
A Associação tem como objetivo habilitar e a reabilitar pessoas com paralisia cerebral através de recursos e profissionais especializados, incluir pessoas com deficiência na comunidade, incentivar o aprimoramento técnico-científico da equipe, promover e incrementar manifestações artísticas, através da dança, música e artes em geral; incentivar a concessão de auxílios e bolsas ao PC carente, divulgar  e popularizar a comunicação alternativa e colocar pessoas com deficiência no mercado de trabalho.
Em 1991, o artigo 93 da lei n. 8213, chamado Lei de Cotas, estabeleceu que pessoas reabilitadas ou com deficiência, desde que habilitadas, ocupariam de 2% a 5% das vagas de trabalho nas empresas com mais de cem empregados. Em 1999, o artigo 36 do Decreto n.3298 regulamentou esse direito e estabeleceu essas cotas.
Hoje há, no Brasil, em torno de 24 milhões de deficientes físicos, mentais, auditivos e visuais, segundo dados da Ordem dos Advogados do Brasil – São Paulo. Apesar dos números, as empresas encontram dificuldade no recrutamento e seleção dos mesmos, assim como na adequação dos cargos.
Essa dificuldade ocorre pela inadequação entre as exigências das empresas e a realidade. Diante disso, a Associação Nosso Sonho criou um serviço de colocação de pessoas com deficiências no mercado, mantendo um banco de currículos de profissionais, treinados e selecionados de acordo com as necessidades de cada função. “Também damos suporte para as empresas que contratam esses jovens, pois é preciso fazer adequação de vagas, respeitando a lei de cotas”, diz Suely. Outro projeto da Associação é o Nosso Sonho Bebê. Os pais nem sempre sabem para onde correr quando o bebê começa a apresentar sinais de deficiência no desenvolvimento e este projeto tem como objetivo amparar e orientar os pais além da estimulação precoce do bebê, através de terapias.
A Associação conta ainda com atendimento Arte Terapêutico em grupo e individualizado onde, entre outros trabalhos, os jovens confeccionam cartões para as mais diversas finalidades. Além disso, eles estão produzindo um informativo chamado Bem Vindo A. NO. S., em parceria com a Construtora Tecnisa.
Tanto as crianças quando os jovens dispõem ainda de atendimento clínico em fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional. E na Clínica Pedagógica eles fazem atividades lúdicas e recreativas, aprendendo conceitos de forma natural.
A Associação conta com voluntários. Você pode ser um deles, ou ainda ser um patrocinador, padrinho de uma criança ou sócio contribuinte. Entre em contato!

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA