O jazz continua

0
1273

Foto:

Bocato abrilhantou uma das edições

O bairro da Pompeia tem tradição musical. Por aqui nasceram e gravitam bandas de rock e outros gêneros, assim como profissionais ligados à produções artísticas, engenheiros de som, etc. No embalo da tradição, no mês de outubro vai acontecer a 6ª Edição do Deu Jazz na Pompeia na Rua Cajaíba, entre as ruas Tucuna e Cotoxó. É um dia especial para ouvir muito jazz, blues e música instrumental. Motivos para comemorar o público tem de sobra porque a organização do evento aproveita para injetar mais alegria no público, especialmente para a comunidade local que estará comemorando o centenário do bairro.

Além da programação musical que vai reunir vários artistas no palco, a organização dispõe de espaços para alimentação, discos raros e souvenirs. Com o apoio da Prefeitura de São Paulo, Subprefeitura da Lapa, Secretaria de Turismo – SP e Guia Daqui, o evento comemora a sua 6ª edição. Para adquirir espaços, os interessados devem procurar o Centro Cultural Pompeia no telefone citado no serviço para fazer a inscrição.

Na linha das homenagens, no dia 7 de outubro, na sexta-feira, comerciantes da região oferecem descontos nas compras feitas nos estabelecimentos cadastrados, além de apresentações performáticas, oficinas de artes e um passeio fotográfico pelo bairro, fazendo a recepção para a festa musical do sábado.

A primeira artista a subir no palco é Ana John, vanguardista, cresceu ouvindo música clássica e jazz. Destaca-se por ser uma das poucas artistas a tocar sets sofisticados e elegantes de acid jazz, soul, R&B e house, aliando suas mixagens a vocais e instrumentos orgânicos. Às 13 horas é a vez do Grupo Harmônicos, um grupo de gaitistas que exploram gaitas antigas e possui um repertório variado. Manoel Cruz, contrabaixista, compositor e arranjador, toca às 14h30. Mauricio Madder manda ver às 15h30, tocando composições próprias compostas para bateria.

Vanessa Falabella, cantora e compositora de Belo Horizonte foi buscar mercados em Nova Iorque, onde morou por dez anos. Participou em festivais nos Estados Unidos, Europa e Japão, e sobe ao palco às 17h. Quem fecha a festa subindo ao palco às 18h30 é Ari Borger, artista que vem recebendo elogios da crítica especializada pelo lançamento do terceiro CD, Backyard Jam. Anotou tudo? Então, até lá!

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA