Moradores se unem para ajudar famílias de alunos

0
862

Com sucesso, organização e determinação de várias voluntárias, a Campanha “Ajuda Colégio Cândido” chega ao final depois de dez meses e conseguiu ajudar com alimentos, famílias de alunos de escolas públicas.

A campanha teve início quando Danielle Grazevics ficou sabendo através da filha e aluna da Escola Estadual José Cândido de Souza, localizado na Pompeia, que algumas famílias de alunos da escola estavam passando dificuldades por conta da pandemia.

“Assim que fiquei sabendo disso, juntei alguns alimentos que tinha em casa e encaminhei para uma família de um aluno do Cândido. Mas achei que precisava fazer mais. Divulguei o que estava acontecendo no Facebook Dicas de Perdizes e em poucos dias surgiram pessoas se oferecendo para doar alimentos e dinheiro. Daí, criamos no WhatsApp o grupo ‘Ajuda Colégio Cândido’ para ajudar as famílias de alunos”, resume Danielle. “Chegamos a ter mais de 200 integrantes que doaram dinheiro e alimentos que foram repassados às famílias”.

O grupo composto predominantemente por voluntárias cadastrou 144 famílias para receber cestas de alimentos, o que significa ajuda direta a cerca de 500 pessoas. Em dezembro, 104 famílias receberam essa ajuda. “Muitas dessas famílias, durante o ano pediram para sair porque conseguiram se organizar e deixaram de precisar de nossa ajuda”, lembra Eliane Barone. A única exigência que a família precisava cumprir é “que a família precisava manter o filho na escola”, informa Danielle.

A campanha começou em março e foi encerrado em 9 de dezembro. Nestes dez meses de existência, o grupo recebeu a colaboração de voluntárias, moradoras de Perdizes e de outros bairros das redondezas, como Vila Madalena e Lapa.

Cabe citar as coordenadoras. Além de Danielle que deu início ao grupo do zap, Lucimeire Santinoni, Miriam Haruyo Fukuoka, Denise Miranda e Eliane Barone. As voluntárias participaram de diversas formas, pesquisando preços e produtos, indo aos mercados para comprar os produtos, participando da montagem das cestas, do cadastro das famílias, da distribuição física das cestas que foram entregues mensalmente para as famílias que declararam precisar e que mantiveram seus filhos nas escolas.

Além da Cândido, o grupo ajudou famílias de outras escolas públicas da região como a Carlos Maximiliano Pereira dos Santos, o Max da Vila Madalena, Zuleika de Barros, Ciridião Buarque.

A doação incluiu além de itens básicos de alimentação, absorventes íntimos para as meninas, escovas e creme dental para cada integrante das famílias, livros. E na entrega de dezembro, cada família recebeu um panetone e pernil. Cada sacola tinha mais de 40 itens.

Segundo Miriam, a responsável pela administração das doações, informa que “nestes dez meses, conseguimos receber R$ 87.873 em doações, além dos produtos que as pessoas doaram individualmente ou através de condomínios ou grupos familiares”.

Na última entrega, Fátima Antonio Carlos, vigilante e mãe das gêmeas Hellen e Helenisa, alunas do Cândido, ao retirar a sua cesta diz que “essa doação foi muito importante para a nossa família”. Para a equatoriana Jeneth Velasco, mãe de dois alunos do Max e trabalha como doméstica a ajuda “foi essencial e ajudou a minha família neste período de pandemia quando fiquei sem trabalhar”.

Atingido o objetivo do grupo, Danielle avalia “que a experiência foi muito boa e mostra que tem muita gente ajudando a quem precisa. Conheci pessoas que se tornaram amigas e provavelmente vamos continuar a ajudar outras pessoas em outras ações”. (GA)

(*) publicada na ed. 288

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA